Obra de Thelonious Monk é revisitada integralmente

30/10/2018 | 04:04

*Por Emerson Lopes

 

Em 2017, os ouvintes de jazz comemoraram o centenário do pianista Theloniuous Monk, considerado por muitos como um dos mais inventivos e talentosos músicos de sua geração. O reencontro com a obra do mestre tem sido frequente, ainda mais com uma efeméride desta estatura.

No ano passado, os destaques foram o disco comandado pelo pianista John Beasley – MONK’estra, Vol. 2 – no qual ele rege uma orquestra de 15 músicos e desconstrói temas clássicos de Monk, e o disco Solo – Reflections And Meditations On Monk, do trompetista Wadada Leo Smith, com o músico sozinho em companhia “apenas” do universo musical do pianista.

Neste ano, o culto ao repertório de Monk ganhou dois novos representantes, com o objetivo de “varrer” tudo o que foi composto pelo pianista. A missão hercúlea foi encampada pelo pianista Frank Kimbrough e pelo guitarrista Miles Okazaki.

 

O pianista Frank Kimbrough revisita toda obra de Monk (Divulgação/EnnaRecords)

Em Monk’s Dreams: The Complete Compositions of Thelonious Sphere Monk, caixa com 6 CDs lançada pela Sunnyside, Kimbrough é acompanhado, na maioria das faixas, pelo trio formado pelo baixista Rufus Reid, o baterista Billy Drummond e o saxofonista/trompetista Scott Robinson.

Literalmente tudo – 70 temas – o que você precisa ouvir de Monk está aqui, na ponta dos dedos de Kimbrough. “Blue Sphere”, “Monk’s Dream”, “Misterioso”, “Round Midnight”, “Epistrophy” e “Blue Monk” são algumas das memoráveis peças paridas por Monk e que ganharam versões “comportadas”, mas muito bem executadas pelo experiente quarteto.

Não menos prolixo que o disco de Kimbrough, Miles Okazaki adaptou de forma competente as complexas composições de Monk para sua guitarra solo no álbum Work. Entre os 70 temas regravados, “Pannonica”, “52nd St. Theme”, “Evidende” e “Criss Cross”, por exemplo, são entregues crus e sem rodeios. A apurada técnica de Okazaki fica ainda mais evidente em músicas como “Four In One”, “In  Walked Bud” e “Let’s Cool One”.

Guitarrista Miles Okazaki lança trabalho com 70 canções de Monk (Divulgação)

O ineditismo do projeto, segundo Okazaki, este é o primeiro registro da obra de Monk feito apenas com guitarra, traz um frescor que a obra de Monk permite e assimila muito bem.  O disco só está disponível para venda na plataforma Bandcamp. Para ouvir na íntegra o álbum, clique    aqui.

Em entrevista recente para divulgar o disco do pianista Frank Kimbrough, o trompetista Scott Robinson sintetizou em poucas palavras a magnitude das composições de Monk. “É uma rara combinação de liberdade criativa e atenção meticulosa aos detalhes.”  Muito bem dito, Robinson.

 

 

*Emerson Lopes    é jornalista, autor do livro     Jazz ao seu alcance, da editora Multifoco, e apresentador do podcast     Jazzy.     Saiba mais sobre o livro     aqui. Ouca o podcast    aqui

 

COMPARTILHE